CBF já cadastrou mais de 120 intermediários
29/01 08:34

CBF já cadastrou mais de 120 intermediários

A Diretoria de Registro e Transferência da CBF iniciou, no ano passado, um trabalho de regulamentação das transferências de atletas para dar mais transparência ao processo. A entidade passou a cadastrar os intermediários que estão aptos ao trabalho no futebol brasileiro. Clubes e atletas só podem negociar com as pessoas físicas e jurídicas que estão registradas na CBF.

Em sete meses de trabalho, o banco de dados da entidade já conta com todas as informações necessárias de 124 intermediários, cadastrados de acordo com as exigências do Regulamento Nacional de Intermediários, criado também no primeiro semestre de 2015.

Para efeitos legais, é considerado intermediário toda pessoa física ou jurídica que atue, gratuitamente ou mediante pagamento, como representante de jogadores ou clubes em negociações de contratação, alteração ou renovação de vínculo trabalhista desportivo. O intermediário também é aquele que participa de uma negociação de transferência temporária (empréstimo) ou definitiva de um jogador entre clubes.

– O cadastro mostra ao mercado quem está ou não habilitado para intermediar uma negociação. É uma lista aberta à consulta da sociedade e útil para todos os atletas e clubes que atuam no meio do futebol. Quem não agir dentro das normas está sujeito a punições já esclarecidas no Regulamento Nacional de Intermediários. Toda a dinâmica está muito clara – destacou o diretor de Registro e Transferência da CBF, Reynaldo Buzzoni, que deu início a esse trabalho.

Para obter e renovar o registro anual, o intermediário deve apresentar uma série de documentos comprobatórios de sua condição adequada. Se jogadores, clubes, intermediários ou dirigentes infringirem o regulamento no cenário nacional, a responsabilidade de julgar e aplicar infrações é do Comitê de Resolução de Litígios da CBF. A entidade informa à Comissão Disciplinar da FIFA, que determina se a punição terá alcance internacional. Confira as sanções possíveis previstas pelo Regulamento Nacional de Intermediários. Elas são aplicadas de forma cumulativa, sendo a reincidência considerada um agravante.

Intermediário: advertência; multa; suspensão temporária de registro junto à CBF por até 12 meses; proibição de exercer a atividade de Intermediário no âmbito nacional.

Clube: advertência; multa; suspensão de registros de novos jogadores por até um ou dois períodos anuais ou janelas de registros; dedução de pontos; rebaixamento para divisão imediatamente inferior a que estiver disputando quando do trânsito em julgado da decisão.
Jogador: advertência; multa; suspensão por partidas; proibição de atuar em qualquer atividade relacionada ao futebol.
 



Autor: CBF.com.br


Últimas