Doping, prevenções de lesões e arbitragem foram a tônica das discussões no 1º dia do CBF Social
11/08 16:00

Doping, prevenções de lesões e arbitragem foram a tônica das discussões no 1º dia do CBF Social

Casos de doping positivos por corticóides no futebol brasileiro têm ocorrido com mais freqüência. O alerta foi deixado pelo presidente da Comissão de Controle de Doping da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Fernando Solera, que abriu na manhã de sexta-feira, 11, o ciclo de palestras do projeto CBF Social. A cerimônia de abertura foi realizada pelo presidente da Federação de Futebol do Estado de Rondônia (FFER), Heitor Costa, juntamente com o gerente de Desenvolvimento Técnico, Responsabilidade Social e Sustentabilidade da CBF, Diogo Netto. No primeiro dia de CBF Social (workshop CBF + Saúde) foram abordados temas sobre doping, lesões musculares e arbitragem.

As palestras estão sendo realizadas no Centro Universitário São Lucas, com a participação de profissionais de várias áreas envolvidas com o futebol.

Fernando Solera fez uma ampla explanação das ações que estão sendo desenvolvidas para conter o doping no futebol. Ele destacou a importância da Wada (sigla em inglês para a Agência Mundial Antidoping) nesse processo desenvolvido. Para se ter uma idéia, segundo o palestrante, De 2010 até 2016, a CBF contabilizou 62 casos positivos de doping no Brasil. A maioria, 22% (14 casos), foi por uso de corticóides.

O palestrante explicou que muitos casos de doping é de característica involuntária, ou seja, o que ele chamou de falta de cuidado ou falta de atenção. Descuido ou não, o atleta recebe a mesma pena daquele que teve a intenção de obter vantagem com o uso de alguma substância proibida. “Vale chamar atenção para uma série de cuidados. O mais comum de aparecer são os substâncias proibidas presentes em suplementos, pré-treinos ou termogênicos”, disse Solera.

Ainda na manhã de sexta-feira, o Workshop CBF + Saúde, os presentes debateram sobre os temas “prevenção de Lesões Musculares: O Papel da Dinamometria Isocinética”, “Critérios Objetivos para Retorno ao Campo após Lesões Ligamentares” e “tratamento das Lesões Ligamentares do Joelho em Atletas: estamos com muita pressa?”.  Os fisioterapeutas Thiago Pereira Marques e Alessandra Moreno Serbino (da Cia. do Movimento) e o médico ortopedista José Wilson Serbino chamaram as atenções para as técnicas que estão sendo implantadas visando a recuperação do atleta, bem como alguns cuidados que devem ser mantidos para se evitar lesões.

No Campeonato Estadual deste ano, por exemplo, a Cia. do Movimento fez a avaliação de 27 atletas de futebol profissional, com idade entre 23 a 26 anos que foram submetidos a testes isocinéticos, na qual o atleta realiza um esforço muscular máximo que se acomoda à resistência.

O workshop CBF + Saúde foi encerrado com a instrutora física da Comissão de Arbitragem da FFER, Isabel Moura, que fez explanação sobre a importância do trabalho interdisciplinar na arbitragem. Isabel falou dos desafios do profissional de arbitragem e as técnicas que a Comissão está desenvolvendo para também evitar lesões nos árbitros e assistentes, bem como todo o processo de condicionamento físico e a postura de cada profissional.

 

FUTEBOL NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA

 

O Workshop CBF Social prossegue neste sábado, a partir das 9 horas, na sala 2 da Ala Seringueira do Centro Universitário São Lucas. O gerente de Desenvolvimento Técnico, Responsabilidade Social e Sustentabilidade da CBF, Diogo Netto, abre a manhã de palestras abordando sobre o Programa CBF Social, trazendo uma gama de informações em torno desse projeto criado pela Confederação Brasileira de Futebol em 2015. Vale ressaltar que Rondônia é o 15º estado a receber o CBF Social. 



Autor: Jornalista Paulo Ricardo


Últimas