Rondoniense 2013 deixa a marca da superação e o brilho do interior

Rondoniense 2013 deixa a marca da superação e o brilho do interior

Sábado à noite foi disputada a decisiva partida do Campeonato Rondoniense Chevrolet 2013, com o confronto entre Pimentense e VEC que, aliás, entrará para a história das finais em Rondônia. Mas, antes de comentarmos sobre esse grande jogos, podemos enumerar várias situações que ocorreram neste campeonato, fatos esses que comprovam que o futebol está crescendo e os motivos que fazem do interior uma potência em conquistas de títulos.
Nesse campeonato, vimos um gigante de títulos apresentar uma campanha pífia e, consequentemente, amargando o rebaixamento para a Segunda Divisão no ano que vem. Trata-se do Ji-Paraná, tantas vezes campeão estadual, mas que não se encontrou nessa competição, mesmo tendo entrado em campo com o peso de campeão de 2012. Mas, sabemos que a força e Ji-Paraná é grande e logo-logo estará de volta à elite do Estadual.
Vimos um Pimentense surgir como a nova potencia do interior. Isso mesmo, o Pimentense que no passado foi alvo de piadas e hoje ganhou todo o respeito do torcedor rondoniense. Vejam bem!!! O Pimentense não apenas caiu nas graças da torcida de Pimenta Bueno, como também ganhou o respeito em todo interior, inclusive nas cidades com representantes no Estadual. Um time que joga bem, que liderou toda a fase classificatória e chegou à inédita final do campeonato. Perdeu o título, mas mostrou aos adversários que em Pimenta Bueno há um Clube Atlético Pimentense de respeito e que brigou até o final pelo título deste ano. No primeiro jogo perdeu de 5 a 0, mas no segundo fez estremecer o pequeno estádio Luiz Alves Athaídes e exigiu o máximo do VEC. O Pimentense perdeu o título, mas deixou seu nome marcado na história dos estaduais.
Também vimos um time guerreiro dentro de fora de campo. Um time que lutou, sofreu, superou dificuldades e deixou seu recado. Esse time chama-se Genus. Mesmo sem estádio, o time da Capital enfrentou os obstáculos e foi acolhido pela cidade de Ariquemes que foi transformada na "CASA" do Genus, dando um exemplo de como uma cidade deve acolher seus representantes. Como os políticos de casa cidade devem olhar para seus times representantes. Em todos os jogos pelo interior, podemos observar a presença do prefeito, de deputados, de vereadores, ou seja, da figura do político que vai ao jogo prestigiar seu time da cidade.
O Genus, sempre motivado pela sua torcida, provou que com um pouco mais de atenção dos políticos e empresários da Capital, pode muito bem fazer frente ao interior. Eis a resposta quando se pergunta o motivo da hegemonia do interior. Lá, existe força dentro e fora de campo. Em Porto Velho, uma cidade sem estádio, a situação é totalmente inversa. Não vai servir de consolo, mas que fique registrado os PARABÉNS ao Genus pela garra e vontade de representar a Capital do Estado de Rondônia.
Um campeão e comprovou ser gigante. Isso mesmo, o VEC, o grande campeão, aliás tetracampeão, o time que estava deixando os torcedores de Vilhena preocupados durante todo o primeiro turno, mas que buscou forças na história do clube e reagiu, saiu da lanterna até entrar na briga direta pela classificação para a Semifinal. Daí em diante, o VEC mostrou o peso da camisa e disparou até reencontrar um velho conhecido: o ponto mais alto do pódio, ou seja, o lugar onde os torcedores vilhenenses puderam gritar "O CAMPEÃO VOLTOU, O CAMPEÃO VOLTOOOOU!!!"


PAULO RICARDO - Bacharel em Comunicação Social (Jornalismo); secretário de redação do jornal O ESTADÃO DO NORTE; assessor de imprensa da FFER



Autor: Assessoria FFER: PAULO RICARDO