O cacarejo do Tissoka: agora reserva "entra em campo"

O cacarejo do Tissoka: agora reserva "entra em campo"

O cacarejo não é mais o mesmo, mas a figura do mascote do Ji-Paraná continua alegrando os torcedores durante os jogos do time. Na noite de quarta-feira, time estreou na competição com derrota para o América-RN (1 a 0), mas pelo menos garantiu a realização do jogo de volta. Nas arquibancadas, lá estava ele: o mascote que ficou conhecido pelo quadro Brasil Afora.
A questão era que, ninguém imaginava que o galo, na verdade, era um 'reserva'. O bicho estava tímido e com o olhar assustado. Nem de longe lembrava aquele Tissoka que até cantava quando o time fazia gol. Mas a explicação de tanta timidez do galo veio com a notócia de que o verdadeiro Tissoka teria morrido.

Segundo o dono do galo, conhecido como Marambaia, ele foi até a chácara da irmã onde ele (Tissoka) estava e para surpresa o sobrinho disse: "Tio, o Tissoka já era!. uma sucuri comeu o galo e um pato que eu comprei"
Marambaia pegou o primeiro garnizé branco que tinha e pintou de azul-celeste (cor do time). "Pintei rapidinho antes de vir pro jogo, usei um secador nele e ficou tudo beleza", explica, afirmando, ainda que o reserva é mais calminho e que ainda não teve tempo de treiná-lo "mas com o passar do tempo ele vai aprendendo. Até terminar o campeonato Rondoniense ele vai estar afiado"



Autor: assessoria